Viajar o mundo pode não ser para você.

No capítulo 7 do livro manual para jovens sonhadores, a Trutmann fala sobre suas viagens e sobre os livros que leu. O que eu mais gostei desse capítulo foi ler que eles viajam para lugares diferentes e raramente se hospedavam em hotéis!

viajar o mundoComo eu disse pra vocês aqui, eu também tinha o sonho de viajar o mundo. Queria viver uma vida nômade e vivenciar tudo o que o mundo tinha a me oferecer.

Mas, eu não gostaria de ficar apenas uma semana em cada lugar, a intenção não era ser turista, mas sim realmente viver como a população local e tudo mais. E foi esse um dos motivos que me levou a escolher a vida que levo hoje.

Mas, depois de um tempo eu percebi que eu precisava de uma coisa que eu não dispunha no momento: dinheiro.

E não me entendam mal, eu acho que realmente tem como viajar de formas bem econômicas… Existe o coachsurf e albergues e tudo mais. Só não é pra mim. Eu realmente gosto de viajar com conforto, gosto de hotéis (que nem precisam ser 5 estrelas) e de não ficar passando perrengue por aí.

E para isso precisa de dinheiro.

Eu sinceramente acho super legal e inspirador quem consegue viajar sem conforto, quem consegue ir para acampamento e quem consegue ir sem nem saber direito onde vai dormir a noite. E acho que esse processo todo é muito válido para o autoconhecimento e aprimoramento de si mesmo.

Você acaba tendo que lidar com situações adversas e sair delas afinal não tem para onde correr. Está longe de todos e precisa se virar sozinho, afinal ligar para mãe não é uma opção.

Viajar o mundo não é para mim

Eu só fui perceber que essa história de viajar assim não era pra mim quando fui morar em Campinas. E veja bem qual foi a situação. Eu e meu marido saímos de uma cidade do interior e fomos rumo a Campinas para ele ficar mais perto do trabalho. Como estávamos apenas a 2 horas da cidade da nossa família, acabávamos indo visita-los todos os meses.

Mas adivinhe só? Cada fim de semana que eu ficava longe era uma tortura. Eu só pensava em voltar, eu só queria saber o que eles estavam fazendo e ficava me torturando por estar longe das pessoas que eu mais amo. Não teve jeito, depois de 2 anos de tentativas, voltamos embora.

E eu estou bem feliz aqui.

Mas toda essa experiência me ajudou a perceber que tirar um ano sabático, ficar viajando, não é pra todo mundo. E o maior problema nem é o dinheiro, mas sim o que fica.

Acho bem válido antes de você se meter numa aventura dessa pensar um pouco sobre como você se sente longe de casa a longo prazo. Se você realmente consegue transformar qualquer lugar em um lar ou se vai ficar num lugar pensando como seria estar em outro, sem aproveitar nada.

viajar o mundoEu ainda quero sim viajar, mas diferente. Agora quero ir para passar um ou dois meses… ainda quero conhecer os lugares de uma forma diferente, não apenas fazendo turismo, mas quero fazer isso com calma e com conforto, sabendo que a hora que a saudade bater, basta pegar um avião. Sem perrengue, sem chororô.

Acho que isso é válido para qualquer sonho que temos, não somente para os sonhos de viajar e conhecer o mundo.

É preciso pensar muito antes de qualquer ação. E é preciso se libertar das amarras de querer sonhar o sonho do outro, ou de querer realizar “sonhos” pelo ego. O seu sonho tem que ser o que você quer de verdade e não o que o outro quer ou realizar pela competição e aceitação.

Além de tudo isso é sempre bom lembrar que toda escolha envolve deixar algo para trás, deixar algo de lado… Antes de sair correndo pondere o que você está deixando de lado e veja se não é algo tão importante para você que seja maior que o tal sonho.

Só não deixe o medo falar mais alto. O medo deve sempre ficar de fora nessas horas!